PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Live exclusiva: chefe do centro de operações do RJ comenta ação na pandemia

Renato de Castro

14/04/2020 04h00

Dando continuidade às entrevistas ao vivo com organizações do Brasil que estão ajudando a sociedade de alguma forma neste momento de crise, nesta terça-feira (14), às 16h, irei conversar com o CEO do COR, Centro de Operações e Comando do Rio de Janeiro, Alexandre Cardeman, sobre o grande desafio de comandar a maior Sala de Controle da América Latina. Uma operação conjunta de 31 secretarias municipais e concessionárias de serviços públicos, mais de 500 profissionais se revezam 24 horas por dia, sete dias por semana, para tomar ações em casos de emergência e em uma das capitais mais afetadas pela pandemia.

Deixe já marcado na sua agenda e participe da nossa discussão ao vivo. Não perca: Link para a live no Facebook.

Centros de operações ao redor do mundo têm se mostrado eficientes não somente para auxiliar a administração municipal e por integrar diversos órgãos em um só ambiente, mas também por permitir que ações sejam tomadas rapidamente para corrigir falhas ou situações que ocorrem na cidade.

Durante esta grande crise do covid-19, 45 cidades em todo o mundo que já possuíam centros de operações estão utilizando essa estrutura para dar suporte à batalha contra a pandemia. Como as instalações dos centros já foram planejadas com tecnologia, converter as atividades realizadas antes para ações que sejam mais relevantes ao atual cenário não foi difícil. No intervalo de alguns dias e até mesmo horas, as cidades passaram a monitorar instalações em quarentena, forneceram acesso wi-fi àqueles que estão isolados, monitoraram pacientes suspeitos e pessoas com que eles tiveram contato e realizaram atividades comuns como o monitoramento de estradas e tráfego.

Segundo o relatório do Boston Consulting Group (BCG) que possui diretivas para que os governos superem a crise do covid-19, há sete módulos que as cidades devem seguir: prevenção, teste e quarentena, tratamento, apoio social, comunicação, econômica e governança, sendo a última onde se encaixam os Centros.

O Rio de Janeiro, que optou por seguir as orientações do BCG, converteu seu centro de operações (COR) para ter a análise de dados centralizada de modo a apoiar a tomada de decisão e a alocação de esforços. Essa mudança fez com que a cidade passasse a disponibilizar em tempo real informações sobre o número de casos confirmados, recuperações e óbitos pela doença seguindo o modelo adotado pela Universidade Johns Hopkins nos Estados Unidos.

Sobre o autor

Renato de Castro é expert em Cidades Inteligentes. É embaixador de Smart Cities do TM Fórum de Londres, membro do conselho de administração da ONG Leading Cities de Boston e Volunteer Senior Adviser da ITU, International Telecommunications Union, agência de Telecomunicações das Nações Unidas. Acumulou mais de duas décadas de experiência atuando como executivo global em países da Ásia, Américas e Europa. Fluente em 4 idiomas, é doutorando em direito internacional pela UAB - Universidade Autônoma de Barcelona. Renato já esteve em mais de 30 países, dando palestras sobre cidades inteligentes e colaborando com projetos urbanos. Atualmente, reside em Barcelona onde atua como CEO de uma spinoff de tecnologia para Smart Cities.

Sobre o blog

Mobilidade compartilhada, Inteligência artificial, sensores humanos, internet das coisas, bluetooth mesh etc. Mas como essa tranqueira toda pode melhorar a vida da gente nas cidades? Em nosso blog vamos discutir sobre as últimas tendências mundiais em soluções urbanas que estão fazendo nossas cidades mais inteligentes.