Topo
Cidades Mais Inteligentes

Cidades Mais Inteligentes

Categorias

Histórico

Você está pronto para a nova era de ouro do mercado imobiliário?

Renato de Castro

01/04/2019 04h00

Tecnologias de ponta estão criando um novo setor imobiliário. Foto: Ikea

Existe uma forte percepção no mercado nacional e internacional de que a economia brasileira está se recuperando. Vários indicadores macro confirmam essa tese. Talvez não tão rápido como se pensava (ou como nós queríamos), mas seguramente estamos em uma espiral ascendente. A economia está melhorando e é só o começo!

A última pesquisa do mercado imobiliário, por exemplo, publicada neste mês (março de 2019) pelo Sindicato da Habitação – Secovi-SP, apontou que no acumulado de 12 meses (fevereiro de 2018 a janeiro de 2019), houve um aumento de 20,9% na comercialização de apartamentos novos em comparação ao mesmo período de 2018. As boas notícias desse setor não são exclusividade de São Paulo. Em uma conversa com a presidente da CMI/Secovi-MG, Cássia Ximenes, ela me disse que as vendas de imóveis em Belo Horizonte tiveram, em 2018, um desempenho aproximadamente 5% maior do que em 2017. Segundo ela, os empresários mineiros estão super confiantes que 2019 e 2020 serão anos ainda muito melhores. Que venha a bonança.

Hoje, vamos focar exatamente no setor imobiliário e já vai a primeira dica para os mais experientes: esqueça tudo que você acha que sabe sobre esse mercado. Dos projetos arquitetônicos, passando pelos métodos de construção até as estratégias de comercialização, tudo está mudando. Estamos sim entrando em um novo ciclo de prosperidade do setor imobiliário, mas completamente diferente do que foi no passado. Entramos na era das chamadas PropTechs – empresas (startups) de tecnologias relacionadas à comercialização e gestão de propriedades.

Estamos vivendo um boom do conceito "tudo-como-serviço". Eu abordei em outro texto esse conceito aplicado ao setor da mobilidade também conhecido como MAASmobility-as-a-service ou mobilidade como um serviço. Mais do que uma tendência, esse é o reflexo do estilo de vida das novas gerações. Este novo consumidor está disposto a pagar mais por soluções do que necessariamente pelo direito de propriedade de um bem. Surge agora, então, o conceito da moradia-como-um-serviço, fortemente influenciado pelos fundamentos da badalada economia compartilhada, a mesma que norteou o surgimento da Uber, gigante global do MAAS.

No caso do setor imobiliário, ainda temos muito caminho pela frente no tocante ao uso de novas tecnologias, o que é muito bom. Isso significa que existem provavelmente mais oportunidades que ameaças por vir. A chave para o sucesso aqui é compreender e, principalmente, incorporar rapidamente essas novas tecnologias no seu negócio. O melhor de tudo, é que a maioria delas já está disponível no mercado para utilização.

Com tanta coisa nova acontecendo, é importante não perder o foco. Se você atua no nesse setor, eu apostaria em três principais tendências tecnológicas para manter no seu radar em 2019/2020:

  1. Realidades mistas: a realidade virtual, a realidade aumentada e o uso de vídeos em 360 graus já são tecnologias não somente disponíveis no mercado mas, principalmente, economicamente acessíveis. Melhorar a experiência de consumo para os clientes tem se tornado um fator crucial para o sucesso das empresas em diversos setores, incluindo o varejo. No segmento imobiliário não seria diferente.

Com pouquíssimo investimento, empresários do setor podem conseguir uma grande vantagem competitiva, especialmente entre os clientes mais jovens. Aqui, entra um aspecto importante inerente aos novos consumidores das gerações Y e Z – aqueles nascidos a partir dos anos 80. Para eles, o processo de compra está diretamente relacionado a uma percepção de pertencimento e propósito, não importando se estão em busca de um tênis ou um apartamento para alugar.

É exatamente aí onde as realidades mistas podem representar uma excelente oportunidade para reforçar as estratégias comerciais. A realidade virtual, por exemplo, pode ajudar a criar situações em que clientes interagem virtualmente com o produto, aumentando não somente a abrangência geográfica de uma promoção comercial, mas também o número de potenciais clientes. Essas novas ferramentas nos permitem ir mais além do que simplesmente tours virtuais. Integrando tecnologias simples (e gratuitas) como Google Earth ou Street View, é possível oferecer uma interação virtual com todo o ecossistema local do bairro onde o imóvel está localizado.

  1. Marketplaces: a simples presença digital já não é mais suficiente para o sucesso no setor imobiliário. Ter somente uma página bela na internet é igual ter um fantástico hotel em uma ilha paradisíaca, mas que ninguém sabe dele. Não basta! Plataformas conhecidas como marketplaces – especializadas na divulgação de anúncios imobiliários – já estão bastante populares mundo afora.

O sucesso da plataforma imobiliaria.it é um exemplo claro como, mesmo em mercados super tradicionais como o Italiano, o marketplace on-line é importante. E atenção: Facebook, WeChat e Ebay, que a princípio não têm nenhuma relação com o mercado imobiliário, também já partiram nessa direção. Acho que nem preciso citar o gigante indomável e super polêmico Airbnb, né?!

Esse modelo de negócio de marketplace já aconteceu no mercado de automóveis e impactou bastante os negócios das concessionárias e pequenas revendas. Chegou a vez do mercado imobiliário e a tendência é de crescimento exponencial. Exatamente como em outros setores, no final será o consumidor a decidir onde, como e com quem negociar sua próxima casa, deixando no final da operação sua importante e temida avaliação on-line.

  1. Blockchain: embora seja ainda uma tecnologia considerada nova e pouco utilizada na prática, o blockchain é apontado como uma das soluções que mais irá impactar o setor imobiliário. A tecnologia, que começou a ficar conhecida em função das super (des)valorizadas moedas digitais como o Bitcoin, vai muito além da sua aplicação no mercado financeiro.

Também conhecido como "protocolo da confiança", o blockchain é uma tecnologia baseada no conceito de registro distribuído e sincronizado em uma rede de computadores com protocolos focados na descentralização como medida de segurança e transparência. Ainda é um pouco difícil de entender, né? Relaxa, é para todo mundo.

O órgão regulador chamado Smart Dubai, sob a supervisão direta do príncipe herdeiro de Dubai, já está implementando a rede de Blockchain na cidade. Imagem: Coin Delite

Sabe toda aquela burocracia chata de cartórios, certidões, registros, bancos? Esqueça! Mais que facilitar e desburocratizar todo o processo, com o blockchain será possível também mudar a forma de comercialização de um imóvel. Na prática, especialistas estão prevendo que será bem fácil negociar parcialmente os direitos e títulos de propriedade de qualquer imóvel no futuro. Tipo assim: posso comprar 31,89% do seu apartamento por 18 meses? Sim, claro, aqui vai… como você quer pagar? E um ou dois cliques depois a operação está realizada.

A tecnologia é tão revolucionária e promissora que governos estão iniciando projetos para usá-la como uma espécie de ferramenta contra a corrupção. Os Emirados Árabes Unidos querem ser o primeiro país com uma gestão pública 100% baseada em blockchain. E olha que eles estão quase lá. Dubai já é considerada uma das cidades mais avançadas do mundo no uso dessa tecnologia.  O órgão regulador chamado Smart Dubai, sob a supervisão direta do príncipe herdeiro de Dubai, já está implementando a solução de Blockchain na cidade.

Bem, eu poderia ainda falar de inteligência artificial, análises preditivas, construção com impressoras 3D, big data e uma dezena de outras novas tecnologias que, direta ou indiretamente, irão influenciar o mercado imobiliário. Fica para um outro texto. A dica final é: fique esperto! Esse mercado vai se transformar do dia para noite, trazendo uma grande onda de comodidade para os consumidores e, principalmente, de pro$peridade para os mais antenados. Boa sorte!

Como está o mercado imobiliário na sua cidade? As novidades já chegaram por aí? Participe dessa discussão deixando a sua opinião pessoal aqui embaixo.  Prometo que responderei a todos os comentários, como sempre. Nos vemos no próximo texto.

Sobre o autor

Renato de Castro é expert em Cidades Inteligentes. É embaixador de Smart Cities do TM Fórum de Londres, membro do conselho de administração da ONG Leading Cities de Boston e Volunteer Senior Adviser da ITU, International Telecommunications Union, agência de Telecomunicações das Nações Unidas. Acumulou mais de duas décadas de experiência atuando como executivo global em países da Ásia, Américas e Europa. Fluente em 4 idiomas, é doutorando em direito internacional pela UAB - Universidade Autônoma de Barcelona. Renato já esteve em mais de 30 países, dando palestras sobre cidades inteligentes e colaborando com projetos urbanos. Atualmente, reside em Barcelona onde atua como CEO de uma spinoff de tecnologia para Smart Cities.

Sobre o blog

Mobilidade compartilhada, Inteligência artificial, sensores humanos, internet das coisas, bluetooth mesh etc. Mas como essa tranqueira toda pode melhorar a vida da gente nas cidades? Em nosso blog vamos discutir sobre as últimas tendências mundiais em soluções urbanas que estão fazendo nossas cidades mais inteligentes.