PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Pandemia leva cidadezinha a aderir à alfabetização digital e nova economia

Renato de Castro

16/06/2020 04h00

Besjunior

Tenho acompanhado de perto a evolução da pandemia do covid-19 no Brasil. Esse momento de abertura que o país está vivenciando, pelo menos aqui de fora, parece não condizer muito com os números oficiais e não oficiais da evolução da pandemia. Aqui na Itália, ainda estamos no processo gradativo de abertura, mas com números supercontrolados e acompanhados diariamente pelo governo e sociedade. Hoje, gostaria de compartilhar com vocês como estamos preparando nossas cidades para esse "novo normal" que muitos falam.

Após a criação da fanpage Smart School Veneto, que discuti com vocês em outro texto, o programa econômico de retomada nasceu como a primeira resposta estruturada oficial à crise econômica gerada pela pandemia e foi dividido em três fases: alfabetização digital, marketplace digital e suporte econômico para as empresas locais e promoção do empreendedorismo e inovação.

Fase 1 – Alfabetização digital

Focado em pequenos empresários do município, mas disponível a todos, foi criada a "Rovolon Digital Academy", uma academia local, digital e 100% online com cursos rápidos de atualização ou, para muitos, literalmente alfabetização nas diversas ferramentas disponíveis na internet.

Com o pressuposto de que a alienação digital se dá mais pelo receio do que não se conhece do que por convicção pessoal, o desafio era claro desde o início: como chamar a atenção e conseguir o engajamento de uma comunidade tradicional que se conhece por nome e sobrenome e que é extremamente acostumada ao contato físico?

A estratégia foi focar a criação de conteúdo 100% na comunidade local. Para isso, um influenciador digital (youtuber) foi contratado para criar tutoriais em vídeo que levassem em consideração os aspectos da cultura e tradição da região, tudo em uma linguagem acessível a todos, dos dummies aos superveteranos.

Para criar uma sensação de rotina quando estamos em casa 24 horas por dia, sete dias por semana, definimos uma agenda para que o conteúdo fosse publicado. Assim, as aulas acontecem todas as segundas e quartas, às 19h (horário de Milão), e os vídeos têm uma duração média de 20 minutos.

O curso sobre Instagram vai de como abrir um perfil até dicas de como promover sua empresa na rede

O projeto teve início com o curso de Facebook, seguido por Instagram e WhatsApp para negócios, tudo publicado na fanpage seguindo o formato premiere, que permite enviar e agendar vídeos pré-gravados para transmissão em uma página da rede social, o que agrega os benefícios do Facebook Live com conteúdos mais curados. Para tirar dúvidas dos cidadãos-alunos-seguidores, uma vez por semana era realizada uma aula ao vivo.

A comunicação foi toda feita pelo grupo do Facebook e contou com o recurso "Obter lembrete" que, quando inscritos, os interessados recebem uma notificação vinte minutos antes da transmissão.  

Fase 2 – Mercado digital Km Zero – www.rovolondigitale.it

Para incentivar a gradual reabertura da economia, foi criado um marketplace digital com promoções das empresas do município. Disponível gratuitamente tanto para quem oferece, quanto para os consumidores por meio de uma parceria com a plataforma Billetto, da Dinamarca, as ofertas seguem uma lógica de eventos: precisam ter escopo, datas definidas e uma quantidade total pré-estabelecida por quem oferece os produtos e/ou serviços.

A ideia foi criar uma rede local de ajuda mútua, onde de um lado estão cidadãos conclamados por consumir localmente e ajudar as empresas da cidade na retomada econômica,  e na outra ponta estão as companhias que oferecerem preços mais acessíveis ajudando, assim, a comunidade que teve uma perda significativa no seu poder de compra. O conceito é literalmente vizinho que ajuda vizinho.

O projeto foi desenhado para que o desconhecimento digital fosse uma barreira no processo, então, cada empresário interessado precisa preencher somente um formulário inicial, que varia conforme o setor econômico, e toda produção do conteúdo digital fica sob responsabilidade da equipe do projeto.

Plataforma Billetto.com customizada para o projeto.

O setor turístico-gastronômico (restaurantes e produtores de vinho), que é muito forte na região e foi um dos mais impactados pela pandemia, foi o primeiro a ingressar na plataforma no dia 27 de abril. O prato de massa, carnes grelhadas e batata frita que geralmente custa 20 euros estava sendo oferecido por 15 euros. Embora a entrega fosse gratuita em um raio de 15 quilômetros, aqueles que optassem por retirar a refeição diretamente no restaurante ganhavam uma garrafa de vinho local.

O resultado foi excelente: as vendas cresceram mais de 400% se comparadas às semanas anteriores, quase atingindo os tempos de "normalidade". Embora toda iniciativa tenha surgido no universo online, a maior parte dos pedidos foi realizada por telefone, o que demonstra que apesar dos munícipes ainda não terem a confiança para realizarem transações online, eles seguem o que acontece nas redes sociais e reagem positivamente às promoções.

Atualmente, restaurantes, açougues, padarias, papelarias, produtores de vinho, lojas de calçados e serviços de jardinagem são algumas das atividades que estão disponíveis na plataforma e, em breve, elas poderão realizar as vendas e receber os pagamentos online também.

Como o projeto não tem nenhum tipo de monetização direta, a prefeitura, ou alguém indicado por ela, deverá assumir o gerenciamento do sistema após a fase de testes. Com o objetivo de deixar um legado digital para a cidade como um todo, em contrapartida, pedimos que as empresas acompanhem os cursos da Rovolon Digital Academy (da fase 1) e desenvolvam e mantenham ativos seus perfis comerciais nas principais redes sociais.

As duas fases iniciais tiveram um custo total de implementação e gestão de 5 mil euros (cerca de R$ 30 mil) que foram pagos por duas empresas privadas, a título de patrocínio. Apesar de não ter investido nas duas primeiras fases, a prefeitura teve papel fundamental na chancela e promoção do projeto por meio da prefeita que participou ativamente da implementação.

Fase 3 – Suporte econômico e incentivo ao empreendedorismo e a inovação

As previsões econômicas para o pós-covid-19 na Itália são de dimensões catastróficas. Segundo a Fipe-Confcommercio  (Federação Italiana de Exercícios Públicos) – associação líder no setor de restaurantes, entretenimento e turismo, no qual operam mais de 300 mil empreendimentos –, o bloqueio imposto às empresas pode levar à falência mais de 50 mil negócios italianos e os que "sobreviverem", principalmente os pequenos, terão que se reinventar para este novo mundo.

Visando as oportunidades que surgirão após a pandemia, a prefeitura decidiu investir pesado no empreendedorismo local e estabeleceu quatro ações principais:

  • Incentivo às novas empresas 

 A prefeitura irá arcar com todos os custos de abertura e contabilidade de empresas individuais simples, chamado de regime forfetario, equivalente aos MEI (microempreendedor individual) no Brasil, durante os seus 12 primeiros meses e também garantirá os custos e gestão operacional para o fechamento da mesma em qualquer momento dentro de um ano, se necessário. A mensagem ao cidadão é simples: quer tentar um futuro diferente e apostar? Nós estaremos com você do início ao fim!

A ação, que é aberta a todos, residentes ou não no município, também visa retirar da informalidade atividades antes consideradas menores, como babás e freelancers de serviços digitais.

Em virtude do cancelamento das aulas presenciais na Itália até setembro, a demanda por babás está grande e só tende a crescer. Para apoiar famílias que têm crianças até 12 anos, o governo federal oferece um auxílio de 600 euros para contratação de profissionais que ajudem nas atividades diárias, como babás, mas os custos precisam ser comprovados por meio de notas fiscais. A formalização da profissão também colabora com a capacitação dos profissionais em primeiros socorros.

  • Coworking

Para dar um suporte mais efetivo aos cidadãos-empresários, o município estará inaugurando no final de junho,  o primeiro espaço coworking 100% público e gratuito dentro da própria prefeitura, o COlliWORKING.  Além de oferecer um espaço físico para trabalho com internet de alta velocidade e diversos programas de capacitação, a ação também colabora com uma mudança de mentalidade, afinal, estamos falando de uma cidade do interior, ultra tradicional, de somente cinco mil habitantes.

  • Apoio financeiro

A prefeitura vai estender aos novos negócios todos os incentivos que já estavam disponíveis às empresas estabelecidas antes da crise como, por exemplo, as linhas de financiamento a "custo zero". Oferecidas por um banco regional, enquanto o empresário fica responsável pelo valor emprestado, os juros do empréstimo são pagos pela prefeitura.

  • Parcerias Estratégicas

Para complementar as diversas estratégias do programa Economia KM 4.Zero, a prefeitura iniciou diversas tratativas para o fechamento de parcerias estratégicas. Entre elas, podemos citar o projeto Rovolon Summer School. Trata-se do planejamento, coordenação e execução de uma escola de verão com dois objetivos principais: auxiliar as famílias do município na gestão dos seus filhos durante os três meses de férias escolares (junho, julho e agosto) e ao mesmo tempo gerar receita para as empresas locais e cidadãos desempregados.

Para o projeto, a prefeitura fechou um convênio com o Frassanelle Villa Papafava, um parque privado e com Frassanelle Golf Club. O projeto teve inicio na segunda-feira, dia 15 de junho, e estará em operação durante os três meses de verão. Os dois locais receberão um total de 100 crianças para atividades lúdicas, esportivas, pedagógicas e educacionais, entre as 9h e 16:30.

Principais atividades previstas para o projeto Rovolon Summer School.

Estão previstas oficinas de história da arte, educação física, música, aulas de inglês, além de reforço escolar, em parceria com a secretaria regional de educação e duas oficinas especiais de tecnologia: o grupo de programação, em parceria com a TechStation Padova e a Escola Apple, em cooperação direta com a Apple Itália.

Por fim, todas as crianças terão uma programação especial de aulas de golfe que acontecerá três vezes por semana durante toda a duração da escola de verão.

Como a sua cidade se preparou ou está se estruturando para esse período de reabertura? Compartilhe conosco suas experiências locais e vamos ajudar nosso país nessa retomada econômica que será longa e provavelmente difícil. Nos vemos no próximo texto.

Sobre o autor

Renato de Castro é expert em Cidades Inteligentes. É embaixador de Smart Cities do TM Fórum de Londres, membro do conselho de administração da ONG Leading Cities de Boston e Volunteer Senior Adviser da ITU, International Telecommunications Union, agência de Telecomunicações das Nações Unidas. Acumulou mais de duas décadas de experiência atuando como executivo global em países da Ásia, Américas e Europa. Fluente em 4 idiomas, é doutorando em direito internacional pela UAB - Universidade Autônoma de Barcelona. Renato já esteve em mais de 30 países, dando palestras sobre cidades inteligentes e colaborando com projetos urbanos. Atualmente, reside em Barcelona onde atua como CEO de uma spinoff de tecnologia para Smart Cities.

Sobre o blog

Mobilidade compartilhada, Inteligência artificial, sensores humanos, internet das coisas, bluetooth mesh etc. Mas como essa tranqueira toda pode melhorar a vida da gente nas cidades? Em nosso blog vamos discutir sobre as últimas tendências mundiais em soluções urbanas que estão fazendo nossas cidades mais inteligentes.